top of page
Fundo futurista abstrato
Big Red_edited.jpg

Artigos

6 Competências Essenciais para Aumentar sua Maturidade Digital na Utilização de Dados na Saúde

Entenda como a sua instituição de saúde pode ter uma maior maturidade digital na utilização de dados.


No Mapa da Transformação Digital dos Hospitais Brasileiros, o pior desempenho está no domínio de Dados & Informações, com 32,1%, este baixo desempenho permanece em todas as segmentações realizadas, seja por natureza jurídica dos estabelecimentos, hospitais que atendem ou não o SUS.


Mesmo quando analisamos apenas os hospitais com maior maturidade digital, Dados & Informações permanece com o pior desempenho em instituições de saúde. Por isso, temos seis recomendações para aumentar a maturidade digital em dados da sua organização:


Mapa da Transformação Digital

1- Tenha ferramentas adequadas

É importante que os dados estejam disponíveis adequadamente em um data warehouse, com banco relacional, capacidade de extração, carregamento, transformação e limpeza de dados.


Além disso, é necessário que a haja ferramentas que forneçam boa interface, visualizações inteligentes e painéis intuitivos, o que será extremamente útil para democratização do uso de dados, especialmente se a ferramenta for capaz de automatizar cálculos estatísticos. Também é fundamental que essa ferramenta faça controle de acessos, inclusive por perfil de usuários.


2- Cuide da sua base de dados

As bases de dados precisam ser constantemente cuidadas, mantendo sua confiabilidade. Através de enriquecimento dos dados, com revisão das regras de entrada na base, validação das fontes e complementação dos dados da base com novas informações, deixando seu conteúdo cada vez mais rico.


Progressivamente haverá mais bases de dados públicas disponíveis e interoperáveis, o que deverá acontecer com o aprimoramento do DataSUS. Enriquecer suas bases com dados externos pode trazer grande valor para a organização.


3- Construa uma governança

É preciso que haja um processo de tornada de decisão a respeito dos dados da organização. Quem valida as fontes de dados? Quem pode ter acesso aos dados? Como priorizar os projetos de dados? Nós recomendamos que haja um comitê multidisciplinar e, inicialmente, as decisões sejam mais centralizadas e, à medida que a maturidade aumente, haja uma descentralização a respeito de dados menos estratégicos e mais operacionais.


Estrategicamente é importante categorizar grupamentos de dados conforme sua importância e risco para empresa, assim será possível tomar melhores decisões a respeito do tipo de tratamento, acesso e compartilhamento.


4- Produza casos aplicados

Um dos pontos mais importantes das certificações da HIMSS são os casos de analytics produzidos pelas organizações, que aliás são sempre um dos pontos altos do processo de certificação do estágio 7 do modelo EMRAM. Este requisito da HIMSS costuma fazer com que a organização se mobilize para produção de cases e desenvolva o pensamento analítico e o aproveitamento de seus dados.


Desafie a sua organização a produzir 5 casos aplicados que envolva análise de um dado, uma transformação digital e um consequente impacto sustentado que produza melhoria assistencial, operacional e financeira, que isso seja medido a partir da sua base de dados. Ao final, apresente os casos para toda a organização e realize uma celebração, esta ação irá engajar, inspirar e empurrar a organização.


5- Utilize métricas e acompanhe a evolução

É preciso acompanhar o quanto a organização está aproveitando os dados para gerar valor. Quantas pessoas estão acessando e utilizando a plataforma de visualização de dados? Quantos casos aplicados conseguimos produzir? Qual foi o impacto financeiro que os projetos, os casos aplicados de dados e analytics, geraram em um determinado tempo? Qual o percentual de indicadores recebe análise crítica e planos de ação periódicos e quantos deles foram melhorados em um determinado período?


Até um nível elevado de maturidade, em que os dados estão sendo utilizados para gerar novos negócios, neste ponto é importante que a alta liderança tenha planos estratégicos para a utilização de dados: Quais negócios poderemos avançar a partir da utilização de dados? Negócios altamente personalizados para os clientes? Utilização de dados para gestão populacional? Aplicação de dados em saúde preventiva? Estas definições serão importantes para criação de indicadores chaves adequadas.


6- Esteja atento Lei Geral de Proteção de Dados

A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), foi promulgada para proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e a livre formação da personalidade de cada indivíduo. Além das infrações à esta Lei serem passíveis de severas punições, as organizações de saúde têm um dever ético e moral de cuidar das informações, pois cuidar dos dados de saúde é parte do trabalho de cuidar das pessoas.


É importante que os dados objeto de tratamento por parte da organização estejam devidamente categorizados e que nos projetos envolvendo dados haja conformidade com os princípios da Lei. Recomendamos que o responsável pelo tratamento de dados da empresa, o DPO, esteja envolvido na governança de dados e que, sempre que possível, os dados para análises estejam anonimizados.


Quer saber mais sobre os outros domínio da Transformação Digital? Acesse o relatório do Mapa da Transformação Digital dos Hospitais Brasileiros e entenda melhor como funciona o Índice de Maturidade Digital e seus domínios.


Entre em contato com a FOLKS

Comments


Commenting has been turned off.

Faça parte de nossa newsletter e aprofunde-se completamente no mundo da Saúde Digital

bottom of page